APRESENTAÇÃO

Constituída em maio de 2012, a Rede de Ação Política pela Sustentabilidade – RAPS objetiva contribuir para o fortalecimento e o aperfeiçoamento da democracia e das instituições republicanas mediante o apoio à formação de lideranças políticas que colaborem com a transformação do Brasil em um país mais justo, próspero, solidário, democrático e sustentável.

Após as eleições de 2010, o grupo de fundadores da RAPS reconheceu que esta transformação deveria ser travada na arena política, mediante a ação pluripartidária e com diferentes matizes ideológicos. Reconheceu ainda que o país está em um momento da história no qual há um espaço político-institucional com oportunidades e sinergias em aberto que permitem o fortalecimento de um movimento da sociedade para a realização dos valores, princípios e projetos alinhados à sustentabilidade.

É revelador e encorajador observar novas formas de mobilização política na sociedade, bem como a crescente participação de inúmeras entidades e vozes comprometidas com a sustentabilidade no debate sobre o processo econômico e social do País. Entretanto, não basta apenas articular a sociedade civil em defesa da agenda da sustentabilidade, participar do debate e pressionar o sistema político. O desafio é de natureza política e é nela que devemos atuar. Mais: a promoção da agenda da sustentabilidade não é (nem pode ser) privilégio de um só grupo político, de um só partido, mas, ao contrário deve refletir uma prioridade de toda a sociedade brasileira. Trata-se de um projeto de país.

Colaborar com a construção de uma sociedade mais justa, próspera, solidária, democrática e sustentável exige trabalhar com todas as lideranças políticas alinhadas aos valores e princípios da ética e da sustentabilidade. Através do diálogo, da troca de informações, da cooperação e da transparência e da Amizade Cívica, é fundamental buscar nas atuais lideranças políticas adesões à agenda da sustentabilidade e, principalmente, identificar, estimular e formar novas lideranças políticas comprometidas com esta agenda.

Fica cada vez mais evidente que para provocar transformações reais num país democrático, como o Brasil, é necessário fazer política real, uma política transformadora que engaje parcela relevante da cidadania.

É preciso empreender na política. A RAPS nasce alinhada a estes objetivos e se propõe a ser uma resposta de como é possível empreender na política de forma inovadora por um Brasil sustentável.