Especialista diz que somente os governos podem vencer os desafios do século XXI

Publicado em 22/08/2017

“Governo e Liderança Política: a última grande esperança da humanidade”. Este foi o enfoque da palestra do professor Steve Jarding, da Universidade de Harvard (EUA), proferida ontem na sede da RAPS em São Paulo, com transmissão ao vivo e online.

Segundo ele, o mundo vive tempos difíceis com uma imensa desconexão entre as lideranças   e a sociedade. Somando-se a isso, citou os dramas que a humanidade vem enfrentando em escala planetária, como crise econômica,  terrorismo, corrupção,  desigualdade social, aquecimento global, o drama dos refugiados, escassez de recursos naturais, só para citar os mais evidentes.

Por outro lado, Steve Jarding destacou que a curva de conhecimento humano nunca cresceu tão significativamente em toda a história. “Nossa capacidade de aprender nunca foi tão grande como agora. O avanço tecnológico promove e dá escala ao conhecimento técnico e científico em todas as áreas e numa velocidade gigante. Se o cenário é deprimente, hoje temos inteligência para pensar, criar e resolver os principais problemas da humanidade.”

Ele destacou que vários setores estão empenhados na busca das soluções ou, pelo menos, na redução dos danos que vitimizam a sociedade e citou a atuação de organizações e iniciativas de caráter filantrópico, humanitário, religioso, cultural e educacional de todas as partes do planeta como grandes aliados nessa tarefa.

Entretanto, o especialista norte-americano em políticas públicas alertou que todas essas iniciativas juntas não dão conta de resolver as demandas sociais mundiais. “Nenhum desses grupos pode substituir o papel dos governos. É por isso que eu digo que nossa última esperança está nas mãos dos governos. Mas as lideranças políticas precisam se reinventar e os países que deverão protagonizar esses processos são Estados Unidos, Rússia, China, Índia, principais países da Europa e o Brasil.”

Steve Jarding disse que o Brasil reúne excelentes condições para se tornar uma grande liderança mundial. Possui grande riqueza em recursos naturais e humanos, mas padece de governos corruptos. Na visão dele, é mais do que urgente virar essa triste página e assumir um novo modelo de liderança política para enfrentar e vencer os desafios do século XXI.

“Não importa a ideologia, a vertente política, o gênero ou a religião. Liderança é atitude e sua ação criará impacto na sociedade e provocará as mudanças e os resultados que a humanidade tanto anseia. O segredo da liderança é saber que dá para fazer e ter a coragem de enfrentar a tarefa com seriedade, ética e comprometimento. Este é o líder do século XXI”, finalizou.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *