menu
Voltar

Lideranças discutem o cenário político e os caminhos para o Brasil

27 de junho de 2017

Lideranças discutem o cenário político e os caminhos para o Brasil

Convidada especial do Encontro de Líderes Políticos RAPS, a professora Ângela Alonso, do departamento de sociologia da USP,  presidente do Cebrap (Centro Brasileiro de Análise e Planejamento) e colunista da Folha de São Paulo abriu o primeiro painel de discussão ao apresentar uma análise da conjuntura política a partir das manifestações iniciadas em junho de 2013.
“A política das ruas – protestos em São Paulo de Dilma a Temer” mostrou a mobilização da sociedade diante dos escândalos de corrupção no cenário político nacional, o nascimento de grupos e movimentos organizados,  o engajamento de vários segmentos e o crescente distanciamento do cidadão em relação à classe política.
“Dos movimentos sociais nasceu a percepção acentuada de que os políticos não representam a sociedade e isso abriu espaço para pessoas de fora do universo político crescerem neste cenário, como Bolsonaro, João Dória e Sérgio Moro”, avaliou.
Para Ângela Alonso, o Brasil está num momento de grande fragilidade política. “Paradoxalmente, estamos diante de uma sociedade altamente mobilizada e de um governo absolutamente instável, que não conta com o apoio de nenhum segmento da sociedade.”

Transição
Na sequência, sob a mediação da Empreendedora Cívica ilona Szabó foi iniciado um ciclo de debates com o objetivo de construir uma agenda de transição para o Brasil, buscando alinhar uma estratégia de ação política das lideranças RAPS com vistas às eleições de 2018.
Na primeira rodada, o senador Randolfe Rodrigues (REDE/AP) destacou a instabilidade do momento que o Brasil está vivendo e disse que o governo Temer não tem sustentação política na sociedade, uma vez que registrou o pior índice de aprovação:  7%.  “Temos no exercício do governo alguém que não tem a condição preliminar de uma governante, que é a de liderar.”
O senador José Reguffe (Sem partido/DF), coordenador do encontro,  também criticou a permanência de Temer na presidência e alertou para a necessidade urgente de uma  ampla reforma política.
“O atual sistema favorece o poder econômico e as pessoas que já estão na política. O espaço para o cidadão comum que quer entrar na política a partir de ideias é muito restrito. Precisamos de uma reforma política profunda, que reduza o poder econômico e abra espaços para as pessoas comuns entrarem na política, inclusive com candidaturas avulsas.”
Clique aqui e veja outras falas do debate.


Tags

Últimas do blog

26 de março de 2020

Manifesto dos Líderes RAPS: Brasil contra o coronavírus

O rápido e perigoso avanço do novo coronavírus no Brasil impõe a necessidade urgente de concentrarmos todos os nossos esforços no combate à pandemia. Já são mais de 2.500 casos em todas as unidades da federação e 61 mortes, que crescem exponencialmente e podem colapsar [...]

Leia Mais
25 de março de 2020

Coronavírus: a política de quarentena faz sentido, mesmo com os prejuízos econômicos?

No caso do Brasil, sim. Pelo menos essa é a opinião do economista da saúde André Cezar Médici, do Banco Mundial, entrevistado pelo cientista político Sergio Fausto ontem (25.03), em transmissão realizada pela Fundação Fernando Henrique Cardoso. O especialista lembra que o Covid-19 é um [...]

Leia Mais
24 de março de 2020

Boletim Covid-19 #1: Principais medidas do poder público federal

Neste momento, o Brasil precisa da atuação de todos e todas nós para superarmos a grave crise causada pelo avanço do novo coronavírus. O desafio que essa pandemia nos impõe é imenso. Sabemos que serão necessários planejamento, atuação coordenada e análises constantes de cenário, além [...]

Leia Mais
RAPS