RAPS e Estadão: Para analista, democracia exige lideranças partidárias fortes - RAPS
menu
Voltar

RAPS e Estadão: Para analista, democracia exige lideranças partidárias fortes

22 de agosto de 2019

RAPS e Estadão: Para analista, democracia exige lideranças partidárias fortes

Redação, O Estado de S.Paulo

 

A cobrança feita por grupos de renovação política por mais democracia interna nos partidos e pela diminuição do poder das lideranças partidárias parte de um diagnóstico correto, mas não leva em conta que nosso modelo de democracia exige liderança centralizada para que as siglas organizem sua atuação parlamentar. A análise é do cientista político e membro do Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP), da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Fernando Guarnieri.

Doutor em Ciência Política e especialista nas áreas de competição política e partidos políticos, Guarnieri é um dos convidados do seminário “Desafios da democracia no Brasil: inovação, participação e representação num mundo hiperconectado”, que será realizado pelo Estado em parceria com a Rede de Ação Política pela Sustentabilidade (Raps) no dia 4 de setembro, no Senado Federal, em Brasília.

“As oligarquias partidárias têm de ter algum limite, mas o que os movimentos de renovação têm de refletir é até que ponto essa forma enrijecida de partido não é consequência justamente do jeito como funciona nossa democracia”, afirma. Esse fenômeno, para o professor, não é exclusivo do Brasil. “No mundo inteiro há vários exemplos de partidos que têm dono.”

 

O professor e cientista político Fernando Guarnieri, da UERJ | Foto: Marcos Arcoverde

 

Guarnieri afirma que a crítica parte de uma ideia de partido cujo papel seria basicamente de representação, de fazer a ligação entre o eleitorado e o Estado. “Mas os partidos surgem com a necessidade de organizar o trabalho no Legislativo, uma maneira de conseguir formar maioria para resolver problemas que surgem dentro dos Parlamentos”, afirma. Para Guarnieri, os partidos precisam ser capazes de formular estratégias e fazer alianças. “E tudo isso exige lideranças fortes.”

Tendo a hiperconectividade como tema central, o seminário tratará, entre outros assuntos, dos desafios enfrentados pela democracia em tempos de redes sociais, fundamentais no resultado de eleições ao redor do mundo, inclusive no Brasil. Para Guarnieri, o problema é o risco de as redes serem usadas como instrumento de manipulação. “Isso não era tão bem conhecido e começou a ser estudado muito recentemente”, diz.


Tags

Últimas do blog

22 de janeiro de 2021

Caos sanitário no Amazonas: lideranças políticas do estado falam sobre o tema em live da RAPS

O estado do Amazonas tem hoje a maior incidência de casos de coronavírus no país. Nas últimas 24 horas, foram registradas 159 novas mortes por Covid-19 e 2.202 novos casos. Desde o começo da pandemia, mais de 241 mil casos foram confirmados no estado, e [...]

Leia Mais
21 de janeiro de 2021

Com apoio de Columbia e Concertação pela Amazônia, RAPS promove debate sobre nova agenda climática dos EUA

A RAPS organizou nesta quinta-feira, 21 de janeiro, um evento online para tratar de um dos assuntos mais urgentes e relevantes do presente e do futuro. Com apoio do Columbia Global Center – Rio de Janeiro (Universidade Columbia) e da Concertação pela Amazônia, o debate [...]

Leia Mais
12 de janeiro de 2021

RAPS abre inscrições para processo seletivo focado em políticos com mandato

Estão abertas até o dia 31 de janeiro de 2021 as inscrições para o Processo de Seleção Líderes RAPS 2021. O edital completo está disponível em nosso site, pelo qual é possível realizar a inscrição. Acesse raps.org.br/processo-selecao e confira todas as informações. Os interessados devem [...]

Leia Mais
RAPS